Posts Tagged ‘ HISTÓRIA ’

MARTIN LUTHER KING’S DAY!!


Imagem

 

I HAVE A DREAM!!

 

I am happy to join with you today in what will go down in history as the greatest demonstration for freedom in the history of our nation.

Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand today, signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree came as a great beacon light of hope to millions of Negro slaves who had been seared in the flames of withering injustice. It came as a joyous daybreak to end the long night of their captivity.

But one hundred years later, the Negro still is not free. One hundred years later, the life of the Negro is still sadly crippled by the manacles of segregation and the chains of discrimination. One hundred years later, the Negro lives on a lonely island of poverty in the midst of a vast ocean of material prosperity. One hundred years later, the Negro is still languished in the corners of American society and finds himself an exile in his own land. And so we’ve come here today to dramatize a shameful condition.

In a sense we’ve come to our nation’s capital to cash a check. When the architects of our republic wrote the magnificent words of the Constitution and the Declaration of Independence, they were signing a promissory note to which every American was to fall heir. This note was a promise that all men, yes, black men as well as white men, would be guaranteed the “unalienable Rights” of “Life, Liberty and the pursuit of Happiness.” It is obvious today that America has defaulted on this promissory note, insofar as her citizens of color are concerned. Instead of honoring this sacred obligation, America has given the Negro people a bad check, a check which has come back marked “insufficient funds.”

But we refuse to believe that the bank of justice is bankrupt. We refuse to believe that there are insufficient funds in the great vaults of opportunity of this nation. And so, we’ve come to cash this check, a check that will give us upon demand the riches of freedom and the security of justice.

We have also come to this hallowed spot to remind America of the fierce urgency of Now. This is no time to engage in the luxury of cooling off or to take the tranquilizing drug of gradualism. Now is the time to make real the promises of democracy. Now is the time to rise from the dark and desolate valley of segregation to the sunlit path of racial justice. Now is the time to lift our nation from the quicksands of racial injustice to the solid rock of brotherhood. Now is the time to make justice a reality for all of God’s children.

It would be fatal for the nation to overlook the urgency of the moment. This sweltering summer of the Negro’s legitimate discontent will not pass until there is an invigorating autumn of freedom and equality. Nineteen sixty-three is not an end, but a beginning. And those who hope that the Negro needed to blow off steam and will now be content will have a rude awakening if the nation returns to business as usual. And there will be neither rest nor tranquility in America until the Negro is granted his citizenship rights. The whirlwinds of revolt will continue to shake the foundations of our nation until the bright day of justice emerges.

But there is something that I must say to my people, who stand on the warm threshold which leads into the palace of justice: In the process of gaining our rightful place, we must not be guilty of wrongful deeds. Let us not seek to satisfy our thirst for freedom by drinking from the cup of bitterness and hatred. We must forever conduct our struggle on the high plane of dignity and discipline. We must not allow our creative protest to degenerate into physical violence. Again and again, we must rise to the majestic heights of meeting physical force with soul force.

The marvelous new militancy which has engulfed the Negro community must not lead us to a distrust of all white people, for many of our white brothers, as evidenced by their presence here today, have come to realize that their destiny is tied up with our destiny. And they have come to realize that their freedom is inextricably bound to our freedom.

We cannot walk alone.

And as we walk, we must make the pledge that we shall always march ahead.

We cannot turn back.

There are those who are asking the devotees of civil rights, “When will you be satisfied?” We can never be satisfied as long as the Negro is the victim of the unspeakable horrors of police brutality. We can never be satisfied as long as our bodies, heavy with the fatigue of travel, cannot gain lodging in the motels of the highways and the hotels of the cities. We cannot be satisfied as long as the negro’s basic mobility is from a smaller ghetto to a larger one. We can never be satisfied as long as our children are stripped of their self-hood and robbed of their dignity by signs stating: “For Whites Only.” We cannot be satisfied as long as a Negro in Mississippi cannot vote and a Negro in New York believes he has nothing for which to vote. No, no, we are not satisfied, and we will not be satisfied until “justice rolls down like waters, and righteousness like a mighty stream.”

I am not unmindful that some of you have come here out of great trials and tribulations. Some of you have come fresh from narrow jail cells. And some of you have come from areas where your quest — quest for freedom left you battered by the storms of persecution and staggered by the winds of police brutality. You have been the veterans of creative suffering. Continue to work with the faith that unearned suffering is redemptive. Go back to Mississippi, go back to Alabama, go back to South Carolina, go back to Georgia, go back to Louisiana, go back to the slums and ghettos of our northern cities, knowing that somehow this situation can and will be changed.

Let us not wallow in the valley of despair, I say to you today, my friends.

And so even though we face the difficulties of today and tomorrow, I still have a dream. It is a dream deeply rooted in the American dream.

I have a dream that one day this nation will rise up and live out the true meaning of its creed: “We hold these truths to be self-evident, that all men are created equal.”

I have a dream that one day on the red hills of Georgia, the sons of former slaves and the sons of former slave owners will be able to sit down together at the table of brotherhood.

I have a dream that one day even the state of Mississippi, a state sweltering with the heat of injustice, sweltering with the heat of oppression, will be transformed into an oasis of freedom and justice.

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character.

I have a dream today!

I have a dream that one day, down in Alabama, with its vicious racists, with its governor having his lips dripping with the words of “interposition” and “nullification” — one day right there in Alabama little black boys and black girls will be able to join hands with little white boys and white girls as sisters and brothers.

I have a dream today!

I have a dream that one day every valley shall be exalted, and every hill and mountain shall be made low, the rough places will be made plain, and the crooked places will be made straight; “and the glory of the Lord shall be revealed and all flesh shall see it together.”

This is our hope, and this is the faith that I go back to the South with.

With this faith, we will be able to hew out of the mountain of despair a stone of hope. With this faith, we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood. With this faith, we will be able to work together, to pray together, to struggle together, to go to jail together, to stand up for freedom together, knowing that we will be free one day.

And this will be the day — this will be the day when all of God’s children will be able to sing with new meaning:

My country ‘tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing.

Land where my fathers died, land of the Pilgrim’s pride,

From every mountainside, let freedom ring!

And if America is to be a great nation, this must become true.

And so let freedom ring from the prodigious hilltops of New Hampshire.

Let freedom ring from the mighty mountains of New York.

Let freedom ring from the heightening Alleghenies of Pennsylvania.

Let freedom ring from the snow-capped Rockies of Colorado.

Let freedom ring from the curvaceous slopes of California.

But not only that:

Let freedom ring from Stone Mountain of Georgia.

Let freedom ring from Lookout Mountain of Tennessee.

Let freedom ring from every hill and molehill of Mississippi.

From every mountainside, let freedom ring.

And when this happens, and when we allow freedom ring, when we let it ring from every village and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God’s children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old Negro spiritual:

                Free at last! Free at last!

                Thank God Almighty, we are free at last!

On this Martin Luther King, Jr. day, we ask that you take a moment to reflect on this great man’s life and legacy. President Reagan signed this holiday into law in 1983, but it wasn’t observed until January 1986. In this January 1986 photo, President Reagan and Mrs. King share a private moment.

 

Imagem

 

 

Fonte: A Web,

The Ronald Reagan Presidential Foundation

Açores From Sky!


Imagem

Açores vistos do céu proporciona uma viagem inédita e impressionante sobre os seiscentos quilómetros de oceano atlântico ao longo dos quais se distribui o arquipélago dos Açores.

Através de 150 imagens, registadas em voos de helicóptero em Agosto de 1997 e Março de 1998 fica o retrato apaixonado , destas nove ilhas vulcânicas descobertas e povoadas há pouco mais de 500 anos.

As fotografias de Filipe Jorge e os textos do jornalista António Valdemar desvendam mistérios e o carácter de uma paisagem única e empolgante; baías, praias, lagoas, flores, montanhas, vulcões, vilas e cidades de todos os 19 concelhos que constituem a Região Autónoma dos Açores são aqui representados no esplendor da sua natureza e revelam a riqueza do seu património.

Uma viagem inesquecível.

Vistas do céu, as nove ilhas dos Açores parecem uma só. Por largo e fundo que seja o mar que as separa, mais largo e mais fundo é aquele que as une: as rochas em que uma ilha acaba continuam-se nas rochas em que outra começa: as ilhas dos Açores estão ligadas pelas raízes, que se tocam no fundo do mar: e à superfície, vista do céu, cada ilha é uma resposta de outra.

Sabe-mo-lo agora: a história política dos Açores foi durante séculos uma história contra natura, separando pela administração aquilo que por natureza era e é unido: ilhas nascidas de vulcões que nunca morreram, dispostas em meandro à flor das águas, e habitadas por gentes que trocam olhares com as gentes da ilha da frente.

Durante séculos se quis esquecer que em todas as ilhas há crateras circulares no interior de picos, fajãs que escorrem pelas rochas do mar, centros urbanos plasmados ao desenho da terra, divisão geométrica de propriedade rural, sinfonia de verdes em terra e de azuis no mar, festas populares que apenas divergem enquanto variações sobre um mesmo tema.

As ilhas que estão unidas nas profundezas do mar, e que trocam olhares à rasante das águas, vistas do céu, são, mais do que parecem, uma ilha só repartida pelo mar.

Pelos céus desta magna ilha passou Filipe George; pelas fotografias que fez, discorreu António Valdemar; e do passeio de ambos nasceu este livro de maravilha – por onde agora se passeiam os nossos olhos. Como se tivessem no céu.

Porque às vezes é preciso sairmos de terra para perceber os Açores em todo o esplendor da sua diversidade e da sua unidade.

Carlos César

Presidente do governo regional dos Açores

Pretendo publicar fotos de cada uma das 9 ilhas dos Açores. Retiradas do próprio livro, este post irá sendo actualizado nos próximos tempos consoante disponibilidade…

Elaborado Por: Paulo Coelho

Fonte: o próprio Livro

Nelson Rolihlahla Mandela


Imagem

HAPPY BIRTHDAY
Nelson Rolihlahla Mandela, prémio Nobél Da Paz, alma ímpar, nasceu dia 18 de julho á 94 anos. “Durante a sua vida dedicou-se a esta luta dos povos africanos. lutou contra a dominação branca e contra a dominação negra. Acalentado o ideal de uma sociedade democrática e livre em que todas as pessoas vivem juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal que espera viver. Mas, meu s…enhor, se for preciso, é um ideal pelo qual estava preparado para morrer.” ‘Ele não teve nenhuma epifania, nenhuma revelação singular, nenhum momento da verdade, mas uma acumulação constante de mil ofensas, mil indignidades e mil momentos para esquecer que produziram nele uma raiva, uma rebeldia, o desejo de lutar contra o sistema que prende o seu povo. Não houve dia em particular em que ele disse-se, ‘agora vou me dedicar a libertação do meu povo’; em vez disso, simplesmente se via fazendo isso, e não podia fazer outra coisa’ vais conseguir mais neste mundo através de atos de misericórdia do que através de atos de retaliação.’ ‘A primeira coisa é ser honesto consigo mesmo. Nunca se pode ter um impacto na sociedade se não se mudou a si mesmo … Grandes pacificadores são pessoas de integridade, de honestidade, mas também de humildade.’ ‘Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, ou o seu passado, ou sua religião. As pessoas aprendem a odiar, e se eles podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o seu oposto.’ ”Quando saíu em direção ao portão que o levaria à liberdade, sabia que se não deixasse a amargura e o ódio para trás, ainda estaria na prisão. ‘Depois de se escalar uma alta montanha, descobre se que existem ainda muitos outros montes para subir, Ele aprendeu quea coragem não é a ausência de medo, mas o triunfo sobre ele. O homem corajoso não é aquele que não sente medo, mas quem vence esse medo.’ ‘Devemos usar o tempo com sabedoria e perceber que o tempo é sempre propício para fazer o certo. A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo. ‘Se conversar com um homem em uma língua que ele compreenda, a mensagem vai para a cabeça. Se você falar com ele na sua linguagem, vai para o coração. ‘Ser livre não é apenas arrebentar as próprias algemas, mas viver de uma forma que respeite e valorize a liberdade dos outros. ‘Ela sempre parece impossível… até ser alcançada!
 

ANTÓNIO PAISANA E SALVADOR MENDES DE ALMEIDA SALVADOR


Salvador Pereira Palha Mendes de Almeida nasceu em lisboa a 13 de Março de 1982. Em 2 de Agosto de 1998 sofreu um acidente que o deixou tetraplégico. É formado em Marketing e publicidade pelo Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing, IADE. É presidente da fundação Salvador que fundou no ano de 2003.

António Lino Netto Paisana nasceu a 28 de Janeiro de 1980, em Lisboa. Estudou Direito na Universidade Católica de Lisboa (1998 – 2004), tendo terminado a agregação à ordem dos advogados em Outubro de 2006.

            Durante o curso viveu um ano na Grécia, em Tessalónica (2001 – 2002) no âmbito do programa Erasmus. Em Setembro de 2006 publica o seu primeiro romance, “Erasmus de Salónica”. Em 2007 foi um dos fundadores da revista Lisbon Golden Guide, sendo à presente data o seu director.

 

PREFÁCIO

                Já não o via há muito tempo. Aliás não me lembrava de o ter encontrado como “pessoa”. A recordação que tinha dele era de um “doente” com uma fractura de coluna cervical muito grave, que sofrera todas as complicações que podem suceder neste tipo de traumatismos. De tudo isto ele escapara porque fora muito bem tratado por uma equipa de médicos do hospital de Santa Maria (estou à vontade para o dizer, porque só estive indirectamente ligado ao caso), mas esse período terrível sumira-se no alçapão misericordioso que a memória por vezes abre para sepultar para sempre o sofrimento.

                Agora, no meu gabinete, numa cadeira que me pareceu pronta para uma corrida de formula 1, ele vinha pedir-me umas palavras de introdução para este livro, de uma forma despretensiosa e feliz. O facto de saber que ele tinha as qualidades daqueles que, na outra terra onde vivi, eram classificados como “survivors”, foi razão suficiente para aceitar. E que óptima surpresa fui encontrar!

Esta é a história de um “Salvador” e de um “salvado” que, por acaso, são uma e mesma pessoa – “Salvador”. A história é contada numa única noite (a narrativa nocturna foi uma técnica que Sherazade inventou para não lhe cortarem o pescoço…), em discurso directo a um amigo. Porque sempre entendi que os testemunhos de que vive a doença ou a incapacidade nos ensinam muito mais sobre o sofrimento humano do que muitos tratados de medicina, leio-os sempre com interesse e, quando numa idade em que se pode pensar que já se viu tudo e nada há a aprender, se aprende alguma coisa nova, é sempre razão de júbilo.

De facto, através destas narrativas “patográficas” – ou seja reatos por doentes da sua própria doença – percebe-se melhoro sofrimento de estar doente do ponto de vista ético e técnico. Devo dizer, por exemplo, que passei a utilizar a ideia do Salvador que era a cadeira de rodas que estava presa a ele e não o oposto!

Impressionou-me nesta leitura a sensibilidade, inesperadamente madura, que revela, o tacto com que fala dos sentimentos, a liberdade como trata do amor e da sexualidade, como se a intensidade da tragédia (e o termo não é excessivo) que viveu, lhe tivesse acelerado a vida e o tornara precocemente sábio.

Esta é também uma lição de “esperança prudente”, uma ideia que talvez valha a pena explicar. Tenho dito (e escrito) que o problema da esperança é uma das matérias mais difíceis de tratar no tempo de uma medicina que é por vezes demasiado rápida a celebrar vitórias, algumas bem efémeras, outras enganadoras. A área dos traumatismos medulares é certamente daquelas em que se têm anunciado as curas mais miraculosas, e milhares de doentes têm sido submetidos a intervenções fúteis e, não raramente fraudulentas. Mas, ao mesmo tempo, é também objecto de investigação intensa, sobretudo através de modelos animais que, no entanto, são uma réplica muito rudimentar da função motora dos humanos. Uma das confissões mais pungentes do Salvador é a dificuldade simples de arranjar os lençóis da cama, coisa de que nenhum ratinho se irá algum dia queixar…

Logo no inicio da doença prometeram-lhe, em profecia optimista, que iria andar oito anos depois, e que a cura ia surgir. Mas isso não parece ter sido nunca uma obsessão para o Salvador, e tantas vezes eu verifiquei que este tipo de fixação ou miragem arrisca-se a abafar tudo o resto, e a tal profecia não cumprida acaba por ter consequências terríveis no ânimo do doente. A esperança que aqui é transmitida é aquela que renasce todas as manhãs com a simples alegria de viver mais um dia, e que anima o Salvador nos seus projectos da profissão e da família, porque, quanto ao andar, o Dr. Ascenso tudo esclareceu quando lhe disse: “olho para ti e vejo alguém que anda, que caminha, só que o fazes de forma diferente…”

Só por duas ou três vezes ele conta que terá chorado. É possível que tenham sido mais, porque seria incompreensivelmente desumano ou assumidamente sobrenatural que tal não tivesse acontecido. Mas, igualmente, a interrogação de job “Porquê eu?”, não o assaltou demasiado, e o sentido insondável de certos castigos não parece tê-lo revoltado. Importa sim, sublinhar, que os privilégios do berço que facilitaram a sua reintegração social (para usar a seca terminologia técnica), criaram nele a obrigação sentida de partilha com outros das suas experiências, e para tentar contribuir para criar condições que facilitem a vida de quem sofre deste tipo de “handicaps”. E este é, para mim, outro ponto fundamental que ressalvo, pois a lição evangélica das parábolas do semeador e dos talentos tem para mim um supremo valor moral.

Confesso que li o manuscrito no meu consultório, em pedaços de tempo que iam surgindo entre consultas e operações. E quando interrompia a leitura, porque se sentava na minha frente outro doente e começava a desfiar a sua história, eu sentia-me mais paciente, mais tolerante, mais humano afinal. Por isso, também aqui, devo um pouco ao salvador

Esta é a história de um rapaz que com uma coragem única se fez homem e, porque não perdeu a esperança, se salvou.

João Lobo Antunes

 

“Este livro fala da liberdade interior que é a única que nos permite ser verdadeiramente felizes. O salvador é para todos um testemunho contagiante de alegria, entusiasmo e força de vontade. O seu livro conta uma história de superação que nos comove, que muda o nosso olhar e nos transforma para sempre. Ficamos diferentes depois de o ler.”

 

LAURINDA ALVES

 

“ (…) Lembro-me também como se fosse hoje, de sentir que o céu estava apenas a um palmo de distância, que se eu quisesse poderia tocar as nuvens, sentir a sua textura, e que no instante preciso em que me preparava para o fazer, os meus braços continuavam pregados ao chão. (…) “

IN SALVADOR

 

“ (…) Esta é a história de um rapaz que com uma coragem única se fez homem e, porque não perdeu a esperança se salvou. (…)

JOÃO LOBO ANTUNES´

Para mais informações visite o Site:

Www.associacaosalvador.com

A Associação Salvador, sem fins lucrativos promove a solidariedade pelos interesses e direitos das pessoas com deficiência. Esta instituição desenvolve o seu trabalho em torno de três eixos fundamentais: Investigação cientifica, Sponsorship e um conjunto de Acções anuais com um enfoque nas áreas de: Acessibilidades, Integração, Prevenção Rodoviária, Turismo e Cooperação Internacional.

Este é um livro que recomendo a todos os amantes da leitura ou não, um livro que nos torna diferentes depois de o ler. Ficamos mais humanos, ajuda-nos a perceber e compreender o que por vezes nos parece imcompreencivel… dificil de entender por não termos dificuldades a enfrentar as barreiras fisicas e sociais anda existentes na sociedade dita moderna, sociedade esta construida a pensar na generalidade dos seres humanos e não como acho que deveria ser, uma sociedade adaptada aos cidadões com dificuldades fisicas, dificuldade em transpor as barreiras fisicas e sociais da sociedade do século XXI.

PAULO COELHO

.

FERNADO PESSOA (13/06/1888 – 30/11/1935)


Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis

Escritor português, que nasceu a 13 de Junho, de 1888 numa casa do Largo de São Carlos, em Lisboa. Aos cinco anos morreu-lhe o pai, vitima de tuberculose, e, no ano seguinte, o irmão, Jorge. Devido ao segundo casamento da mãe, em 1896, com o cônsul português em Durban, na África do Sul, foi viver para esse país entre 1895 e 1905, aí frequentou, o Liceu de Durban.
Frequentou, durante um ano, uma escola comercial e a Durban High School e concluiu, ainda, o «Intermediate Examination in Arts», na Universidade do Cabo (onde obteve o «Queen Victoria Memorial Prize», pelo melhor ensaio de estilo inglês), com que terminou os seus estudos na África do Sul. No tempo em que viveu neste país, passou um ano de férias (entre 1901 e 1902), em Portugal, tendo residido em Lisboa e viajado para Tavira, para contactar com a família paterna, e para a Ilha Terceira, onde vivia a família materna. Já nesse tempo redigiu, sozinho, vários jornais, assinados com diferentes nomes.
Regressou definitivamente a Lisboa, em 1905, onde frequentou, por um período breve (1906-1907), o Curso Superior de Letras. Após uma tentativa falhada de montar uma tipografia e editora, «Empresa Íbis — Tipográfica e Editora», dedicou-se, a partir de 1908, e a tempo parcial, à tradução de correspondência estrangeira de várias casas comerciais, sendo o restante tempo dedicado à escrita e ao estudo de filosofia (grega e alemã), ciências humanas e políticas, teosofia e literatura moderna, que assim acrescentava à sua formação cultural anglo-saxónica, determinante na sua personalidade.
Em 1920, ano em que a mãe, viúva, regressou a Portugal com os irmãos e em que Fernando Pessoa foi viver de novo com a família, iniciou uma relação sentimental com Ophélia Queiroz (interrompida nesse mesmo ano e retomada, para rápida e definitivamente terminar, em 1929) testemunhada pelas Cartas de Amor de Pessoa, organizadas e anotadas por David Mourão-Ferreira, e editadas em 1978. Em 1925, ocorreu a morte da mãe. Fernando Pessoa viria a morrer uma década depois, a 30 de Novembro de 1935 no Hospital de S. Luís dos Franceses, onde foi internado com uma cólica hepática, causada provavelmente pelo consumo excessivo de álcool.

Levando uma vida relativamente apagada, movimentando-se num círculo restrito de amigos que frequentavam as tertúlias intelectuais dos cafés da capital, envolveu-se nas discussões literárias e até políticas da época. Colaborou na revista A Águia, da Renascença Portuguesa, com artigos de crítica literária sobre a nova poesia portuguesa, imbuídos de um sebastianismo animado pela crença no surgimento de um grande poeta nacional, o «super-Camões» (ele próprio?). Data de 1913 a publicação de «Impressões do Crepúsculo» (poema tomado como exemplo de uma nova corrente, o paúlismo, designação advinda da primeira palavra do poema) e de 1914 o aparecimento dos seus três principais heterónimos, segundo indicação do próprio Fernando Pessoa, em carta dirigida a Adolfo Casais Monteiro, sobre a origem destes, (Alvaro Campos, Alberto Caeiro, e Ricardo Reis).
Em 1915, com Mário de Sá-Carneiro (seu dilecto amigo, com o qual trocou intensa correspondência e cujas crises acompanhou de perto), Luís de Montalvor e outros poetas e artistas plásticos com os quais formou o grupo «Orpheu», lançou a revista Orpheu, marco do modernismo português, onde publicou, no primeiro número, Opiário e Ode Triunfal, de Campos, e O Marinheiro, de Pessoa ortónimo, e, no segundo, Chuva Oblíqua, de Fernando Pessoa ortónimo, e a Ode Marítima, de Campos. Publicou, ainda em vida, Antinous (1918), 35 Sonnets (1918), e três séries de English Poems (publicados, em 1921, na editora Olisipo, fundada por si). Em 1934, concorreu com Mensagem a um prémio da Secretaria de Propaganda Nacional, que conquistou na categoria B, devido à reduzida extensão do livro. Colaborou ainda nas revistas Exílio (1916), Portugal Futurista (1917), Contemporânea (1922-1926, de que foi co-director e onde publicou O Banqueiro Anarquista, conto de raciocínio e dedução, e o poema Mar Português), Athena (1924-1925, igualmente como co-director e onde foram publicadas algumas odes de Ricardo Reis e excertos de poemas de Alberto Caeiro) e Presença.

A sua obra, que permaneceu maioritariamente inédita, foi difundida e valorizada pelo grupo da Presença. A partir de 1943, Luís de Montalvor deu início à edição das obras completas de Fernando Pessoa, abrangendo os textos em poesia dos heterónimos e de Pessoa ortónimo. Foram ainda sucessivamente editados escritos seus sobre temas de doutrina e crítica literárias, filosofia, política e páginas íntimas. Entre estes, contam-se a organização dos volumes poéticos de Poesias (de Fernando Pessoa), Poemas Dramáticos (de Fernando Pessoa), Poemas (de Alberto Caeiro), Poesias (de Álvaro de Campos), Odes (de Ricardo Reis), Poesias Inéditas (de Fernando Pessoa, dois volumes), Quadras ao Gosto Popular (de Fernando Pessoa), e os textos de prosa de Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação, Páginas de Estética e de Teoria e Crítica Literárias, Textos Filosóficos, Sobre Portugal — Introdução ao Problema Nacional, Da República (1910-1935) e Ultimatum e Páginas de Sociologia Política. Do seu vasto espólio foram também retirados o Livro do Desassossego por Bernardo Soares e uma série de outros textos.

A questão humana dos heterónimos, tanto ou mais que a questão puramente literária, tem atraído as atenções gerais. Concebidos como individualidades distintas da do autor, este criou-lhes uma biografia e até um horóscopo próprios. Encontram-se ligados a alguns dos problemas centrais da sua obra: a unidade ou a pluralidade do eu, a sinceridade, a noção de realidade e a estranheza da existência. Traduzem, por assim dizer, a consciência da fragmentação do eu, reduzindo o eu «real» de Pessoa a um papel que não é maior que o de qualquer um dos seus heterónimos na existência literária do poeta. Assim questiona Pessoa o conceito metafísico de tradição romântica da unidade do sujeito e da sinceridade da expressão da sua emotividade através da linguagem. Enveredando por vários fingimentos, que aprofundam uma teia de polémicas entre si, opondo-se e completando-se, os heterónimos são a mentalização de certas emoções e perspectivas, a sua representação irónica pela inteligência. Deles se destacam três: Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos. 


 Segundo a carta de Fernando Pessoa sobre a génese dos seus heterónimos, Caeiro (1885-1915) é o Mestre, inclusive do próprio Pessoa ortónimo. Nasceu em Lisboa e aí morreu, tuberculoso, em 1915, embora a maior parte da sua vida tenha decorrido numa quinta no Ribatejo, onde foram escritos quase todos os seus poemas, os do livro O Guardador de Rebanhos, os de O Pastor Amoroso e os Poemas Inconjuntos, sendo os do último período da sua vida escritos em Lisboa, quando se encontrava já gravemente doente (daí, segundo Pessoa, a «novidade um pouco estranha ao carácter geral da obra»). Sem profissão e pouco instruído (teria apenas a instrução primária), e, por isso, «escrevendo mal o português», órfão desde muito cedo, vivia de pequenos rendimentos, com uma tia-avó. Caeiro era, segundo ele próprio, «o único poeta da natureza», procurando viver a exterioridade das sensações e recusando a metafísica, caracterizando-se pelo seu panteísmo e sensacionismo que, de modo diferente, Álvaro de Campos e Ricardo Reis iriam assimilar.
Ricardo Reis nasceu no Porto, em 1887. Foi educado num colégio de jesuítas, recebeu uma educação clássica (latina) e estudou, por vontade própria, o helenismo (sendo Horácio o seu modelo literário). Essa formação clássica reflecte-se, quer a nível formal (odes à maneira clássica), quer a nível dos temas por si tratados e da própria linguagem utilizada, com um purismo que Pessoa considerava exagerado. Médico, não exercia, no entanto, a profissão. De convicções monárquicas, emigrou para o Brasil após a implantação da República. Pagão intelectual, lúcido e consciente, reflectia uma moral estoico-epicurista.

 Fernado Pessoa comemora hoje 123 anos, sim comemora. Um poéta Lusitano que através do seu legado, se transformou num imortal… entre mortais, a sua obra literária continua actual e a despertar o mesmo interesse que sempre despertou aos ama…ntes da leitura, mesmo com o passar dos anos continua a ser uma referencia se não mesmo a principal referencia da lingua portuguesa a par de José saramago  quer em Portugal, quer no estrangeiro!

Trabalho Elaborado por:

Paulo Coelho

Fonte: a Web

Ronald Reagan (06-02-1911/05-06-2004)


RONALD REAGAN

Ronald Reagan foi o porta-voz do governo limitado mais eloquente dos nossos tempos. Ao longo de 25 anos de incansavelmente “levantar uma bandeira não de cores pálidas, mas de cores vivas” de princípios políticos, ele obteve sucesso em mudar o clima da opinião nos Estados Unidos e ao redor do mundo.

Desde a sua primeira aparição na cena política nacional dos Estados Unidos em 1964, ele falou em favor dos valores que defendeu no seu discurso de tomada de posse como o 40.º presidente dos Estados Unidos da America. Para muitos o reponsavel maximo por vivermos no mundo livre actual.

Ronald Reagan nasceu, a 06 de Fevereiro de 1911 em Tampico, Illinois. Frequentou o Liceu de Dixon, trabalhou para custear os seus estudos na Eureka College, na qual frequentou os cursos de economia e sociologia,  jogou na equipa de futebol americano da universidade, e também actuou nas peças de teatro da escola.

Após se formar, ele tornou-se locutor desportivo de rádio. Um casting em 1937 lhe valeu um contrato em Hollywood. Ao longo dos 20 anos seguintes ele participou em 53 filmes.

Do seu primeiro casamento com a actriz Jane Wyman, ele teve 2 filhos,  Maureen and Michael Reagan. Maureen morreu de cancro em 2001. Em 1952 ele voltou a casar, desta vez com a também actriz  Nancy Davis, de quem teve outros 2 filhos,  Patricia Ann and Ronald Prescott Reagan.

Como presidente do Sindicato dos Actores, Reagan envolveu-se nas disputas em torno da questão do comunismo na indústria cinematográfica. As suas políticas passaram de liberais a conservadoras, e ele tornou-se  porta-voz do conservadorismo na televisão, foi eleito governador da Califórnia em 1966 com uma margem de um milhão de votos e foi reeleito em 1970.

Reagan conquistou a indicação à presidência pelo Partido Republicano em 1980, e escolheu para seu vice presidente o congressista Texano e embaixador das Nações Unidas George Walker Bush (Sénior). Os eleitores, incomodados com a inflação e com os americanos mantidos há um ano como reféns no Irão, conduziram-no à Casa Branca.

A 20 de Janeiro de 1981 Ronald Reagan Toma posse como o 40.º presidente dos Estados Unidos da América. apenas 69 dias depois ele sofre um atentado contra a sua vida onde felizmente para todos nós… apenas sofre ferimentos dos quais consegue rucuperar rápidamente. A sua força, inteligência e graciosidade com que lidou com este perigoso acidente valeram lhe o seu pique de popularidade.

Lidando habilmente com o Congresso, Reagan conseguiu uma legislação para corte de impostos, estimulou o crescimento econômico, conteve a inflação, aumentou o emprego e fortaleceu a defesa nacional. Mesmo quando o fortalecimento das forças de defesa levaram a um grande défice, ele recusou-se a desviar do curso.

A renovação da autoconfiança nacional em 1984 ajudou o seu governo a conquistar a reeleição. Em 1986, Reagan conseguiu uma reformulação do imposto de renda. No final de seu governo, o país estava desfrutando do período mais longo de prosperidade registrado em tempos de paz.

Na política externa, a gestão de Reagan ficou marcada pelo escândalo “Irão-Contras”. Descobriu-se que funcionários do alto escalão do governo vendiam armas ilegalmente para o Irão e usavam o dinheiro para frinanciar os rebeldes anti-sandinistas da Nicarágua. Investigações apontaram que o general Oliver North estava por trás do esquema, do qual Reagan tinha conhecimento.

Reagan buscou estabilidade internacional por meio do polêmico projeto “paz pela força”. Em encontros com o líder soviético Mikhail Gorbachev, ele negociou um tratado que eliminou os mísseis nucleares de alcance médio. Reagan declarou guerra contra o terrorismo internacional, enviando bombardeiros americanos contra a Líbia, após se confirmar o envolvimento daquele país em um ataque contra soldados americanos num clube nocturno de Berlim Ocidental.

Ao ordenar escoltas navais no Golfo Pérsico, ele manteve o fluxo livre de petróleo durante a guerra Irão-Iraque. Seguindo a Doutrina Reagan, apoiou as revoltas anticomunistas na América Central, na Ásia e na África.

Em geral, os anos Reagan viram a restauração da prosperidade, e da paz mundial. Ele deixou o governo dos Estados Unidos da América no final do seu 2.º mandato presidencial em 1989, retirando-se para o seu rancho na Califórnia.

Em novembro de 1994, Reagan anunciou ao povo americano que sofria da doença de Alzheimer, uma doença progressiva e degenerativa que compromete o cérebro. Depois do anúncio, sua filha mais velha, Maureen Reagan, do seu primeiro casamento com Jane Wyman Reagan, tornou-se porta-voz da Associação de Alzheimer.

Ronald wilson Reagan, morreu a 05 de junho de 2004 na califórnia, o seu corpo encontra-se sepultado na biblioteca presidencial Ronald Reagon na 40 Presidential Drive Simi Valley, CA 93065 California, EUA.

Assim dou por terminado este artigo, uma pequena omenagem da minha minha parte, para com o Homem que permitiu que eu crescesse e vivesse num mundo livre e na sua maior parte em democracia, quando passam exactamente 7 anos do seu desparecimento fisico.

Quem não conhece o famoso discurso  de Ronald Reagan nas portas de Berlim em 1987: General Secretary Gorbachev, if you seek peace, if you seek prosperity for the Soviet Union and eastern Europe, if you seek liberalization, come here to this gate. Mr. Gorbachev, open this gate. Mr. Gorbachev, Mr. Gorbachev, tear down this wall!

Artigo elaboarado por:

Paulo Coelho

Fonte: white House web page

“O que os Finlandeses Precisam de Saber sobre Portugal”


Um vídeo que salienta glórias portuguesas e recorda a ajuda à Finlândia, em 1940, está a causar furor nas redes sociais. Com o título “O que os Finlandeses Precisam de Saber sobre Portugal”, a peça foi apresentada ontem pelo presidente da Câmara Municipal de Cascais aos participantes nas conferências do Estoril.

O filme “O que os Finlandeses Precisam de Saber sobre Portugal” começa com a recordação de que a bandeira finlandesa atual fora a portuguesa há oito séculos e termina com a evocação de uma das maiores campanhas de voluntariado alguma vez feita no país, em 1940, a favor de “um país periférico, pobre e esfomeado”: a Finlândia.

Pelo meio, e ao longo de quase sete minutos, ficam referências aos povos que antecederam os portugueses, à antiguidade da nação e da fronteira portuguesa, à difusão do Português e dos portugueses — existem mais no estrangeiro do que em Portugal –, à capacidade de mobilização do Benfica, às invenções lusitanas — do compasso marítimo à via verde, passando pelos canhões, vela latina e bacalhau salgado –, a introdução do chá no Reino Unido.

As glórias desportivas, do futebol ao hóquei em patins e ao râguebi, da estátua de Eusébio a Mourinho e Ronaldo, também têm uma parte nobre, bem como as Descobertas, Cristóvão Colombo, a solidariedade com Timor, a dimensão da zona económica exclusiva ou o Mateus Rosé.

Carlos Carreiras explica, em declarações à agência Lusa, que esta “é uma mensagem de esperança”.

O autarca de Cascais adianta: “somos um grande povo e temos uma grande história”, o que o leva a “acreditar nesta geração, neste tempo e neste espaço universal”.

E insiste: “fomos, somos e seremos um grande povo”, pelo que “temos de saber que também somos capazes como foram capazes outros portugueses”.

Diz ter sido “com grande satisfação” que viu “a sala, que estava cheia, de pé a aplaudir”, a mensagem que estava a passar no vídeo.

Este “é um vídeo extraordinário que gostava muito que todos os portugueses vissem, porque devemos ter orgulho em ser portugueses. Independentemente das nossas ideologias, nós temos um país que nos orgulha muito, que eu ali mostrei”, disse.