Posts Tagged ‘ Cultura ’

MARTIN LUTHER KING’S DAY!!


Imagem

 

I HAVE A DREAM!!

 

I am happy to join with you today in what will go down in history as the greatest demonstration for freedom in the history of our nation.

Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand today, signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree came as a great beacon light of hope to millions of Negro slaves who had been seared in the flames of withering injustice. It came as a joyous daybreak to end the long night of their captivity.

But one hundred years later, the Negro still is not free. One hundred years later, the life of the Negro is still sadly crippled by the manacles of segregation and the chains of discrimination. One hundred years later, the Negro lives on a lonely island of poverty in the midst of a vast ocean of material prosperity. One hundred years later, the Negro is still languished in the corners of American society and finds himself an exile in his own land. And so we’ve come here today to dramatize a shameful condition.

In a sense we’ve come to our nation’s capital to cash a check. When the architects of our republic wrote the magnificent words of the Constitution and the Declaration of Independence, they were signing a promissory note to which every American was to fall heir. This note was a promise that all men, yes, black men as well as white men, would be guaranteed the “unalienable Rights” of “Life, Liberty and the pursuit of Happiness.” It is obvious today that America has defaulted on this promissory note, insofar as her citizens of color are concerned. Instead of honoring this sacred obligation, America has given the Negro people a bad check, a check which has come back marked “insufficient funds.”

But we refuse to believe that the bank of justice is bankrupt. We refuse to believe that there are insufficient funds in the great vaults of opportunity of this nation. And so, we’ve come to cash this check, a check that will give us upon demand the riches of freedom and the security of justice.

We have also come to this hallowed spot to remind America of the fierce urgency of Now. This is no time to engage in the luxury of cooling off or to take the tranquilizing drug of gradualism. Now is the time to make real the promises of democracy. Now is the time to rise from the dark and desolate valley of segregation to the sunlit path of racial justice. Now is the time to lift our nation from the quicksands of racial injustice to the solid rock of brotherhood. Now is the time to make justice a reality for all of God’s children.

It would be fatal for the nation to overlook the urgency of the moment. This sweltering summer of the Negro’s legitimate discontent will not pass until there is an invigorating autumn of freedom and equality. Nineteen sixty-three is not an end, but a beginning. And those who hope that the Negro needed to blow off steam and will now be content will have a rude awakening if the nation returns to business as usual. And there will be neither rest nor tranquility in America until the Negro is granted his citizenship rights. The whirlwinds of revolt will continue to shake the foundations of our nation until the bright day of justice emerges.

But there is something that I must say to my people, who stand on the warm threshold which leads into the palace of justice: In the process of gaining our rightful place, we must not be guilty of wrongful deeds. Let us not seek to satisfy our thirst for freedom by drinking from the cup of bitterness and hatred. We must forever conduct our struggle on the high plane of dignity and discipline. We must not allow our creative protest to degenerate into physical violence. Again and again, we must rise to the majestic heights of meeting physical force with soul force.

The marvelous new militancy which has engulfed the Negro community must not lead us to a distrust of all white people, for many of our white brothers, as evidenced by their presence here today, have come to realize that their destiny is tied up with our destiny. And they have come to realize that their freedom is inextricably bound to our freedom.

We cannot walk alone.

And as we walk, we must make the pledge that we shall always march ahead.

We cannot turn back.

There are those who are asking the devotees of civil rights, “When will you be satisfied?” We can never be satisfied as long as the Negro is the victim of the unspeakable horrors of police brutality. We can never be satisfied as long as our bodies, heavy with the fatigue of travel, cannot gain lodging in the motels of the highways and the hotels of the cities. We cannot be satisfied as long as the negro’s basic mobility is from a smaller ghetto to a larger one. We can never be satisfied as long as our children are stripped of their self-hood and robbed of their dignity by signs stating: “For Whites Only.” We cannot be satisfied as long as a Negro in Mississippi cannot vote and a Negro in New York believes he has nothing for which to vote. No, no, we are not satisfied, and we will not be satisfied until “justice rolls down like waters, and righteousness like a mighty stream.”

I am not unmindful that some of you have come here out of great trials and tribulations. Some of you have come fresh from narrow jail cells. And some of you have come from areas where your quest — quest for freedom left you battered by the storms of persecution and staggered by the winds of police brutality. You have been the veterans of creative suffering. Continue to work with the faith that unearned suffering is redemptive. Go back to Mississippi, go back to Alabama, go back to South Carolina, go back to Georgia, go back to Louisiana, go back to the slums and ghettos of our northern cities, knowing that somehow this situation can and will be changed.

Let us not wallow in the valley of despair, I say to you today, my friends.

And so even though we face the difficulties of today and tomorrow, I still have a dream. It is a dream deeply rooted in the American dream.

I have a dream that one day this nation will rise up and live out the true meaning of its creed: “We hold these truths to be self-evident, that all men are created equal.”

I have a dream that one day on the red hills of Georgia, the sons of former slaves and the sons of former slave owners will be able to sit down together at the table of brotherhood.

I have a dream that one day even the state of Mississippi, a state sweltering with the heat of injustice, sweltering with the heat of oppression, will be transformed into an oasis of freedom and justice.

I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character.

I have a dream today!

I have a dream that one day, down in Alabama, with its vicious racists, with its governor having his lips dripping with the words of “interposition” and “nullification” — one day right there in Alabama little black boys and black girls will be able to join hands with little white boys and white girls as sisters and brothers.

I have a dream today!

I have a dream that one day every valley shall be exalted, and every hill and mountain shall be made low, the rough places will be made plain, and the crooked places will be made straight; “and the glory of the Lord shall be revealed and all flesh shall see it together.”

This is our hope, and this is the faith that I go back to the South with.

With this faith, we will be able to hew out of the mountain of despair a stone of hope. With this faith, we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood. With this faith, we will be able to work together, to pray together, to struggle together, to go to jail together, to stand up for freedom together, knowing that we will be free one day.

And this will be the day — this will be the day when all of God’s children will be able to sing with new meaning:

My country ‘tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing.

Land where my fathers died, land of the Pilgrim’s pride,

From every mountainside, let freedom ring!

And if America is to be a great nation, this must become true.

And so let freedom ring from the prodigious hilltops of New Hampshire.

Let freedom ring from the mighty mountains of New York.

Let freedom ring from the heightening Alleghenies of Pennsylvania.

Let freedom ring from the snow-capped Rockies of Colorado.

Let freedom ring from the curvaceous slopes of California.

But not only that:

Let freedom ring from Stone Mountain of Georgia.

Let freedom ring from Lookout Mountain of Tennessee.

Let freedom ring from every hill and molehill of Mississippi.

From every mountainside, let freedom ring.

And when this happens, and when we allow freedom ring, when we let it ring from every village and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God’s children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old Negro spiritual:

                Free at last! Free at last!

                Thank God Almighty, we are free at last!

On this Martin Luther King, Jr. day, we ask that you take a moment to reflect on this great man’s life and legacy. President Reagan signed this holiday into law in 1983, but it wasn’t observed until January 1986. In this January 1986 photo, President Reagan and Mrs. King share a private moment.

 

Imagem

 

 

Fonte: A Web,

The Ronald Reagan Presidential Foundation

“O que os Finlandeses Precisam de Saber sobre Portugal”


Um vídeo que salienta glórias portuguesas e recorda a ajuda à Finlândia, em 1940, está a causar furor nas redes sociais. Com o título “O que os Finlandeses Precisam de Saber sobre Portugal”, a peça foi apresentada ontem pelo presidente da Câmara Municipal de Cascais aos participantes nas conferências do Estoril.

O filme “O que os Finlandeses Precisam de Saber sobre Portugal” começa com a recordação de que a bandeira finlandesa atual fora a portuguesa há oito séculos e termina com a evocação de uma das maiores campanhas de voluntariado alguma vez feita no país, em 1940, a favor de “um país periférico, pobre e esfomeado”: a Finlândia.

Pelo meio, e ao longo de quase sete minutos, ficam referências aos povos que antecederam os portugueses, à antiguidade da nação e da fronteira portuguesa, à difusão do Português e dos portugueses — existem mais no estrangeiro do que em Portugal –, à capacidade de mobilização do Benfica, às invenções lusitanas — do compasso marítimo à via verde, passando pelos canhões, vela latina e bacalhau salgado –, a introdução do chá no Reino Unido.

As glórias desportivas, do futebol ao hóquei em patins e ao râguebi, da estátua de Eusébio a Mourinho e Ronaldo, também têm uma parte nobre, bem como as Descobertas, Cristóvão Colombo, a solidariedade com Timor, a dimensão da zona económica exclusiva ou o Mateus Rosé.

Carlos Carreiras explica, em declarações à agência Lusa, que esta “é uma mensagem de esperança”.

O autarca de Cascais adianta: “somos um grande povo e temos uma grande história”, o que o leva a “acreditar nesta geração, neste tempo e neste espaço universal”.

E insiste: “fomos, somos e seremos um grande povo”, pelo que “temos de saber que também somos capazes como foram capazes outros portugueses”.

Diz ter sido “com grande satisfação” que viu “a sala, que estava cheia, de pé a aplaudir”, a mensagem que estava a passar no vídeo.

Este “é um vídeo extraordinário que gostava muito que todos os portugueses vissem, porque devemos ter orgulho em ser portugueses. Independentemente das nossas ideologias, nós temos um país que nos orgulha muito, que eu ali mostrei”, disse.

Paul Potts A Hitória de uma vida vai dar filme em Hollywood


 

PAUL POTTS

 

A história de Paul Potts, o mediático vencedor do concurso de talentos Britain’s Got Talent, vai ser transformada em filme, com Simon Cowell (júri do programa American Idol e manager de nomes como as Spice Girls) como produtor.

Antigo funcionário da Carphone Warehouse (retalhista de telemóveis para automóveis), Paul Potts transformou-se numa das mais improváveis estrelas televisivas dos últimos anos graças à sua interpretação de Nessun Dorma (ária da ópera Turandot, de Puccini). Agora – e de acordo com informações adiantadas pela revista americana Variety – a Paramount Pictures conseguiu os direitos para a adaptação da história da sua vida ao grande ecrã.

Em menos de quatro meses, viu a sua vida sofrer uma alteração abismal, ao surpreender o júri e o público do programa televisivo britânico “Britain’s Got Talent” ao ganhar o famoso concurso. Todavia, o prémio maior seria a projecção do seu talento numa escala inimaginável, lançando-o de forma meteórica no mundo discográfico, com o lançamento do seu álbum de estreia “One Chance” a 16 de Julho de 2007 (um mês após a vitória do concurso).

 


A baixa auto-estima e a assumida rigidez do cantor de ópera parecem ter sofrido, igualmente, algumas alterações, como se comprova na postura mais descontraída e confiante, aquando a sua aparição no programa matinal americano, “Today Show.

Simon Cowell, que depois de American Idol também foi júri em Britain’s Got Talent, foi abordado por um executivo de Hollywood cuja filha lhe tinha mostrado imagens da audição de Paul Potts alojadas no YouTube. O mesmo Cowell revelou à revista Variety que “surgem muitas propostas deste género, habitualmente sem grande interesse. Mas desta vez foi diferente”. Entre os argumentos apresentados pela Paramount Pictures para convencer o empresário esteve a descrição de um futuro filme sobre o cantor-revelação como “um novo Billy Elliot [filme de 2000, realizado por Stephen Daldry], uma história que todos vão querer conhecer e vão entender”.

Sobre o sucesso de Paull Potts, Simon Cowell lembrou que “esta participação no concurso televisivo era a sua última oportunidade e ele soube aproveitá-la da melhor forma”. Apesar do reconhecimento público que adquiriu, Paul Potts é, garante Cowell, “exactamente a mesma pessoa. A única diferença é que já teve oportunidade de arranjar os dentes”.

Potts, com 40 anos (nascido em Port Talbot, uma localidade no Sul do País de Gales), assinou um contrato de um milhão de libras com a editora de Cowell depois de ter vencido o Britain’s Got Talent. Só o seu álbum de estreia, One Chance, já vendeu mais de 4 milhões de cópias.

Será que em Portugal, vamos encontrar talentos como estes por descubrir, ou tudo não passará de uma manobra de sharing, e de desperdicio de dinheiro numa altura de crise….

 

FALLINGWATER HOUSE (A casa da cascata)


FALLINGWATTER HOUSE

 

“Frank Lloyd Wright Para Edgar J. Kaufmann”

A visita á cascata na floresta fica comigo, uma residência já tomou forma na minha mente para a música da corrente…

Uma perfeita combinação entre a arte, a arquitectura e o meio ambiente, a casa da cascata é uma residência da autoria de Frank Lloyd Wright, construída em 1935 para Edgar J. Kaufmann, Wright desenhou uma casa que estava muitos anos á frente do seu tempo em termos de material, no uso do espaço, e na integração com o meio ambiente que a arrodeia.

Inicialmente Kaufmann toma conhecimento de Frank Lloyd Wright através do seu filho; eles certamente conheciam Frank Lloyd Wright toda a gente conhecia… pelo menos quem prestasse atenção ao design naquela altura. O seu filho tinha estado a estudar em York e regressou aos E.U.A por causa da 2.ª guerra mundial, e um amigo dele, deu-lhe uma cópia da auto biografia de Frank Lloyd Wright, ele (Kaufmann) leu-a e ficou fascinado pelas ideias que Frank Wright transmitia, que o design e a arte deviam fazer parte integrante das nossas vidas diariamente.

Frank Lloyd Wright, tinha 67 anos, para se ter uma ideia onde Frank Lloyd Wright estava nesta altura da sua carreira, ele nascera pouco depois da guerra civil, os edifícios mais recentes por ele projectados são do inicio da década de 1890 é agora 1935 ele tem cerca de 67 anos e a maioria no mundo da arquitectura viam-no como um arquitecto retirado do mercado e não no activo, ele era visto como o arquitecto que abriu o caminho para o modernismo mas não como fazendo mais parte do modernismo na época. Frank Lloyd Wright como qualquer bom arquitecto conseguia cheirar um potencial cliente a quilómetros de distância; temos aqui duas fortes personalidades.

Frank Lloyd Wright, e Edgar J. Kaufmann sénior durante a maior parte do tempo viram que precisariam um do outro para alcançar este objectivo que tinham em comum que era a casa da cascata. E para Frank Lloyd Wright que não trabalhava essencialmente á mais de uma década para além de uns pequenos projectos, ele vê isto como a sua oportunidade para se restabelecer novamente no mundo da arquitectura, uma das coisas maravilhosas acerca da casa da cascata ao contrário de muitos dos edifícios de Frank Lloyd Wright, é que nunca foi permitido que se degradasse os Kaufmann preservaram-na muito bem.

FALLINGWATER

Quando da conservação feita de 1963 fez-se todos esforços para ter a certeza que o edifício e a vista mantinham todos a sua característica, mais recentemente fez-se uma restauração de cerca de 11,5 milhões de dólares no edifício que tinha zonas em perigosa situação de colapso, a preocupação que os engenheiros disseram aos Kaufmann nos anos 30, era bem fundada, não havia aço suficiente na casa; algumas das zonas dos terraços, varandas deflectiram cerca 20/25 cm, fez se um grande reforço do edifício que o próprio Edgar nunca saberia ao olhar para lá, tudo o que foi feito, a maior parte dos reforços foram instalados no chão. Uma das únicas características da casa da cascata comparada com outras grandes obras de Frank Lloyd Wright é que esta é a maior obra de Frank Lloyd Wright que chegou ao domínio público com ambas, a casa, a mobília, a colecção de arte, e a vista intactas. Wright não só desenhou a casa desde as fundações, como também desenhou a própria mobília para a enquadrar com a casa, ele teve este conceito realista de aproximação com o viver nela. O orçamente original dado por Wright foi por volta dos 40 mil dólares isto acabados de sair da grande depressão económica de 1929, por volta de 1935, 1936. o custo final da casa ficou por volta dos 155 mil dólares ele estava definitivamente muito para além do orçamento. Para mim fallingwater house faz parte da minha própria história pessoal agora, e é incrível, quando eu chego aqui de manhã e conduzo através desta paisagem estonteante, o sentimento de ter em parte a ver com isto por ser a responsável pela manutenção do edifício é um sentimento maravilhoso que continua quando mostro a alguém a casa da cascata, atravessando a passagem que leva á casa e dou a volta e começamos a ver a casa a tomar forma através das árvores e não é o que esperas que sejas, não vês aquela elevação clássica de sudoeste com a casa da cascata á vista quando nos aproximamos da casa, não até teres passado pela casa e deixado o local, só então é que tens a hipótese de ver aquela vista. A casa da cascata é mais importante peça da arquitectura da América, o edifício mais importante em termos arquitectónicos, é famoso internacionalmente, os nossos visitantes chegam de todas as partes do mundo, como é que alcançamos essa audiência global e é para ai que estamos a olhar neste momento em termos de programação, o que podemos nós fazer para atrair estudantes de todas as partes do mundo.

FALLINGWATER MOBILIA

Todos os aspectos da casa foram mantidos intactos desde a mobília á textura da casa desenhada pelo próprio Frank Lloyd Wright, até ao equilíbrio ambiental único que complementa a casa. Inquestionavelmente um dos mais importantes trabalhos de arquitectura na América a casa da cascata continua edificada sobre bear run em Fayette country Pensylvania nos E.U.A. e está aberta ao público para a explorarem e experimentarem a sua beleza. Durante 70 anos a casa da cascata fascinou-nos, para viver não só ao lado da natureza mas inserida nela.

FALLINGWATER INTERIOR

 

CASA DA CASCATA

“Frank Lloyd Wright Para Edgar J. Kaufmann”

“Eu quero que vocês vivam com a cascata, e não só que olhem para ela, mas que ela se torne uma parte integral das vossas vidas.”

FALLINGWATER

 

CARTAS A LUCÍLIO (Lúcio Aneu Séneca)


 

Lúcio Aneu Séneca

Lucílio Aneu Séneca nasceu em Córdova em data indeterminada, cerca do início da nossa era. Seu pai, de nome também Lucílio Aneu Séneca (conhecido por Séneca-o-Retor, para o distinguir do filho Séneca-o-Filósofo) trouxe-o ainda criança para Roma, onde estudou com mestres de várias tendências filosóficas, mas especialmente de obediência estóica.

Durante o principado de Gaio (Calígula) iniciou uma brilhante carreira como advogado, mas logo após a subida ao poder do imperador Cláudio foi por este exilado para a Córsega, onde se manteve durante 8 anos. Em 49, a nova esposa do Imperador, Agripina, conseguiu a anulação do exílio, chamou Séneca a Roma e confiou-lhe a educação do jovem Nero. Morto Cláudio e aclamado Nero como novo Imperador pela guarda pretoriana, começa a fase mais importante da carreira política de Séneca. A partir de 62, porém, as tendências autocráticas de Nero afirmam-se decididamente e Séneca retira-se à vida privada. 3 Anos depois, uma conjura para derrubar Nero é descoberta e o filósofo é dado como implicado nela, recebendo ordem do Imperador para se suicidar, o que acontece em Abril de 65. – A obra conservada de Séneca é considerável, nela se compreende uma virulenta sátira à morte de Cláudio, uma série de 10 tragédias (sendo algumas de autenticidade discutida), um volumoso tratado sobre os benefícios, um manifesto político sobre a clemência, um conjunto de vários opúsculos sobre problemas vários de filosofia moral prática (conhecidos sob a designação de Diálogos), as Questões naturais (tratado sobre vários problemas de ordem científica). A sua obra mais importante, escrita durante os últimos anos de vida, são no entanto, as Cartas a Lucílio, que mostram Séneca na plena posse dos seus recursos como pensador inserido na corrente estóica: “filósofo da condição humana” como lhe chamou o Padre Manuel Antunes, as Cartas conservam uma flagrante actualidade dada a intemporalidade dos problemas tratados e pertinência dos valores morais a que o autor faz constantemente apelo.

Cartas a Lucílio «Séneca» (Fundação Galouste Gulbenkian)

 

As Cartas a Lucílio – Epistulae morales ad Lucilium – São geralmente consideradas a obra mais importante de quantas subsistem da autoria de Lúcio Aneu Séneca. Tal importância deriva de circunstâncias várias: o facto de se situarem cronologicamente entre as produções da última fase da vida do autor e reflectirem, portanto, a forma mais amadurecida do seu pensamento; o facto de essa fase da vida de Séneca (que iria culminar no suicídio) se ter revestido de formas especialmente dramáticas que encontram eco, mais ou menos explícito, no texto; o facto de, pela sua própria amplitude, conterem uma soma de reflexões sobre enorme variedade de problemas, na sua totalidade de carácter ético; o facto de tais reflexões, conquanto assentes num quadro teórico perfeitamente delimitado e coerente, se revestirem de um carácter extremamente prático, isto é, de constituírem uma análise de situações concretas e de apreciações de grande grandeza sobre a natureza e o comportamento humanos; o facto de o quadro epistolar escolhido pelo autor para a sua exposição (quer se pense, como estamos em crer, que as Cartas representam uma correspondência efectiva mantida por Séneca com o seu destinatário, quer, como alguns entendem, que apenas resultam de uma mera ficção literária) se prestar à inclusão de numerosos elementos informativos sobre múltiplos aspectos da vida e da civilização romanas; o facto, enfim, de a natureza dos problemas que suscitam e discutem se revestir de uma pertinência transcendente à época em que foram redigidas e oferecer uma viva fonte de meditação para quem pretenda questionar-se sobre os valores da sociedade em que se insere. A persuasão de que a leitura de Séneca pode ser nos dias de hoje de uma utilidade prática evidente como precioso auxiliar no entendimento da natureza humana e na determinação da existência, levou-me a fazer um post sobre esta obra e o seu autor.

O ANJO BRANCO(José Rodrigues dos Santos)


O ANJO BRANCO (JOSÉ RODRIGUES DOS SANTOS)

 

Baseando-se em factos reais, José Rodrigues dos Santos traz-nos desta vez uma obra sobre Moçambique, os portugueses, a guerra colonial e, sobretudo sobre o mais aterrador segredo de Portugal no Ultramar. 

A vida de José Branco mudou no dia em que entrou naquela aldeia perdida no coração de África e se deparou com o terrível segredo. O médico tinha ido viver na década de 1960 para Moçambique, onde, confrontado com inúmeros problemas sanitários, teve uma ideia revolucionária: criar o Serviço Médico Aéreo.

No seu pequeno avião, José cruza diariamente um vasto território para levar ajuda aos recantos mais longínquos da província. O seu trabalho depressa atrai as atenções e o médico que chega do céu vestido de branco transforma-se numa lenda no mato.

Chamam-lhe o Anjo Branco.

Mas a guerra colonial rebenta e um dia, no decurso de mais uma missão sanitária, José cruza-se com aquele que se vai tornar o mais aterrador segredo de Portugal no Ultramar.

Inspirado em factos reais e desfilando uma galeria de personagens digna de uma grande produção, O Anjo Branco afirma-se como o mais pujante romance jamais publicado sobre a Guerra Colonial – e, acima de tudo, sobre os últimos anos da presença portuguesa em África.

 

José Rodrigues dos Santos, dando prova da sua já conhecida e reconhecida capacidade de renovação constante, continua a surpreender. Com efeito, no seu novo romance, adopta um registo mais intimista e revela outra faceta aos seus muitos leitores, numa atitude de desassombro e coragem que não deixará de empolgar e até emocionar.

Este é um livro que todos os portugueses sentirão como muito próximo – pelas experiências, pelos acontecimentos narrados, pela repercussão dos factos.

O ENVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO(José Saramago)


ENVANGELLHO SEGUNDO JESUS CRISTO(JOSÉ SARAMAGO)

Jesus morre, morre, e já vai deixando a vida, quando de súbito o céu por cima da sua cabeça se abre de par em par e Deus aparece, vestido como estivera na barca, e a sua voz ressoa por toda a terra, dizendo, tu és o meu filho muito amado, em ti pus toda a minha complacência.

Então Jesus compreendeu que viera trazido ao engano como se leva o cordeiro ao sacrifício, que a sua vida fora traçada para morrer assim desde o princípio dos princípios, e, subindo-lhe à lembrança o rio de sangue e sofrimento que do seu lado irá nascer e alagar toda a terra, clamou para o céu aberto onde Deus sorria, Homens perdoai-lhe, porque ele não sabe o que faz. Depois, foi morrendo no meio de um sonho, estava em nazaré e ouvia o pai dizer-lhe, encolhendo os ombros e sorrindo também, nem eu posso fazer-te todas as perguntas, nem tu podes-me dar todas as respostas. Ainda havia nele um resto de vida quando sentiu que uma esponja embebida em água e vinagre lhe roçava os lábios, e então, olhando para baixo, deu por um homem que se afastava com um balde e uma cana ao ombro. Já não chegou a ver, posta no chão, a tigela negra para onde o seu sangue gotejava.

 Já que muitos empreenderam compor uma narração os factos que entre nós se consumaram, como no-los transmitiram os que desde o princípio foram testemunhas oculares e se tornaram servidores da palavra, resolvi eu também, depois de tudo ter investigado cuidadosamente desde a origem, expor-tos por escrito e pela sua ordem, ilustre Teófilo, a fim de que reconheças a solidez da doutrina em que foste instruído.´

LUCAS, 1, 1-4

 «É a obra mais polémica de José Saramago e aquela que, indirectamente, o levou a sair de Portugal e a refugiar-se na ilha espanhola de Lanzarote. Ficou para a história o desentendimento com o então subsecretário de estado da Cultura Sousa Lara, que considerou o livro ofensivo para a tradição católica portuguesa e o retirou da lista do Prémio Europeu de Literatura. Com um José destroçado por ter fugido e deixado as crianças de Belém nas mãos dos assassinos de Herodes; com uma Maria dobrada e descrita, logo no início do livro, em pleno acto de conhecer homem; com um Jesus temeroso, um Judas generoso, uma Madalena voluptuosa, um Deus vingativo e um Diabo simpático, não era de esperar outra reacção das almas mais sensíveis e mais devotas do catolicismo português. E verdadeiramente viperinas são as várias páginas onde o escritor português se entretém a descrever minuciosamente os nomes e a forma como morreram os mártires dos primeiros séculos do cristianismo. Assim se escreveram os heréticos Evangelhos segundo Saramago, para irritação de muitos e prazer de alguns. Como convém.» (Diário de Notícias, 9 de Outubro de 1998)

O livro O evangelho segundo Jesus Cristo do escritor português José Saramago é uma experiência literária imperdível. Publicado em 1991, o livro tornou-se um dos mais polémicos da carreira do escritor. E também um dos mais vendidos. Por causa dele, Saramago foi duramente criticado e até considerado sacrílego, mas isso apenas confirmou que a sua obra mexe com o leitor.

Quem imagina encontrar apenas crítica à religião está muito enganado. É uma obra que põe em dúvida não só a sacralização da história bíblica, mas também a sacralização científica. A própria linguagem mais próxima da falada (como se fosse um diálogo) já é uma diferenciação da linguagem sagrada das escrituras.  Não se trata, entretanto, de um livro realista e sim de uma tentativa de contar uma história de um ponto de vista humano. Para isso, o foco do livro é um Jesus humanizado.

Todo o primeiro capítulo do livro é uma descrição detalhada de uma gravura medieval que representa a cena da Paixão de Jesus Cristo. De forma abrupta, o leitor é, então, lançado à narração de uma história. A vida de Cristo é contada. O leitor está diante, então, de uma nova versão do mesmo acontecimento com os mesmos personagens. E esses acontecimentos são vistos à luz do presente e preenchido de realidade humana.

“… A barriga de Maria crescia sem pressa, tiveram de passar-se semanas e meses antes que se percebesse às claras o seu estado, e, não sendo ela de dar-se muito com as vizinhas, por tão modesta e discreta ser, a surpresa foi geral nas redondezas…”

A humanização de Jesus Cristo é construída ao longo do texto também pela omissão dos episódios biográficos em que ele foi descrito como ser eleito, capaz de dar vida. Até o desfecho da história marca essa humanidade: a narração termina com a morte de Jesus, ele não a supera como na história tradicional. 

Mas tudo é história e o narrador tem consciência que sua narrativa é “uma memória inventiva” e que “tudo é o que dissermos que foi”. É a ironia revelada não só no distanciamento em relação ao passado como também no pacto que ele faz com seu leitor ao longo do texto. Então, se topares o pacto com Saramago, com certeza terá uma óptima e inesquecível leitura.