Posts Tagged ‘ 25 de Abril ’

Spínola, o ‘anti-herói’ da revolução de 25 Abril de1974


General Spínola

Quase 36 anos depois de se tornar o primeiro Presidente da República do período revolucionário, o Marechal António de Spínola continua a ser uma das mais controversas figuras da História nacional. Era um homem do regime marcelista ou antes um herói da revolução de Abril de 74?

Durante anos, Portugal esteve de costas voltadas para a controversa figura do Marechal Spínola: militar destacado no Ultramar, conquistou simpatias durante o Estado Novo, tendo inclusive sido convidado, pelo presidente do Conselho de Ministros, Marcelo Caetano, para ocupar a pasta de Ministro do Ultramar em 1973.

‘Spínola é um homem do regime desde o início’, recorda Luís Nuno Rodrigues. Para o historiador e autor da biografia ‘Spínola’ (agora lançada pela Esfera dos Livros), o Marechal desenvolveu durante o Estado Novo uma relação de proximidade e de identificação com o regime ditatorial.

Quando Marcelo Caetano chega à Presidência do Conselho de Ministros, em 1968, Spínola encarou ‘com esperança’ a sua chegada ao poder, recorda o historiador, já que partilhava com ele a defesa de uma política colonial de índole federalista.

A desilusão com Caetano levaria Spínola a dar uma ‘machadada definitiva’ no marcelismo, com a publicação do livro ‘Portugal e o Futuro’, onde inscreve a sua própria visão daquilo que deveria ser a descolonização portuguesa. ‘Foi uma pedrada no charco’, entende Luís Nuno Rodrigues.

Na primeira linha da revolução

No dia 25 de Abril de 1974, e com o Movimento das Forças Armadas (MFA) na rua, o Marechal Spínola acaba por se assumir como o rosto forte dos militares, pela própria ‘dinâmica dos acontecimentos’: ‘Marcelo Caetano entra em contacto directo com o General Spínola e pede a Spínola que se dirija ao Largo do Carmo, para lhe apresentar a sua rendição’, recorda Luís Nuno Rodrigues.



Mas, ainda que se considerasse representante dos militares, as diferenças ideológicas eram, em boa parte dos casos, intransponíveis: ‘a relação entre Spínola e o MFA é uma relação de conflito desde o primeiro dia’, em matérias como a descolonização. Em última análise, são essas divergências que o levariam a demitir-se da Presidência da República, em ruptura com o projecto político defendido pelos militares.

Crítico da do rumo esquerdista que Portugal tomou no período pós-revolucionário, acaba por envolver-se na tentativa de golpe de Estado de 11 de Março de 1975, com o objectivo de retomar o poder. O golpe falha e revela-se ‘uma tragédia na vida pessoal de António de Spínola’: parte para o exílio, onde conspira para evitar a total aplicação do programa do MFA.

Reconciliação com Portugal

Depois da passagem pelo exílio, a reconciliação com os portugueses não se revela fácil: ‘Spínola regressa a Portugal em 1976 e é preso ainda no aeroporto, embora saia em liberdade passados alguns dias. Mas, lentamente, a democracia viria a reintegrar a figura do General’.

Para essa reconciliação, contribuíram os ex-presidentes Ramalho Eanes e Mário Soares. Só em 1987, por exemplo, é que Soares reconhece publicamente a importância de Spínola na consolidação do novo regime democrático, mas ainda hoje a imagem do Marechal (sempre associada ao monóculo no rosto e ao pingalim na mão) continua a gerar aceso debate.

‘Spínola’, o livro agora publicado por Luís Nuno Rodrigues, vem ajudar a superar sentimentos passados. Para o historiador, só a passagem do tempo permitiu um outro olhar sobre o ex-presidente: ‘a pouco e pouco, estamos a passar da memória à História, e portanto hoje já é possível ter uma visão mais distanciada e imparcial dos acontecimentos e figuras desse período’.

25 DE ABRIL DE 1974 “A revolução dos Cravos”


CARTA DE UM ALUNO AO PROFESSOR DE HISTÓRIA

E ISTO 34 ANOS DEPOIS…

Revolução dos Cravos "CAPITÃO SALGUEIRO MAI

Exmo Senhor Professor,

Sou obrigado a escrever-lhe, nesta data, depois de ter escutado, com toda a atenção, a aula de História, que nos deu sobre a Revolução de Abril de 1974.

Li todos os apontamentos que tirei na aula e os textos de apoio que me entregou para me preparar para o teste, que o Senhor Professor irá apresentar-nos, na próxima semana, sobre a Revolução dos Cravos.

Disse o Senhor Professor que a Revolução derrubou a ditadura salazarista e veio a permitir o final da Guerra Colonial, com a conquista da Liberdade do Povo Português, o dos Povos dos territórios que nós dominávamos e que constituíam o nosso Império.

Afirmou ainda que passámos a viver em Democracia e que iniciámos uma nova política de Desenvolvimento, baseada na economia de mercado.

Informou-nos também que a Censura sobre os órgãos de Comunicação Social terminara e que a PIDE/DGS, a Polícia Política do Estado Fascista, acabara, dando a possibilidade aos Portugueses de terem liberdade de expressão, opinião e pensamento. Hoje, todos eles podem exprimir as suas opiniões nos jornais, rádio, televisão, cinema e teatro, sem receio de serem presos.

Disse igualmente que Portugal era um país isolado no contexto internacional e que agora fazemos parte da União Europeia e temos grande prestígio no mundo. Que somos dos poucos países da União a cumprir, na íntegra, os cinco critérios de convergência nominal do Tratado de Maastricht para fazermos parte do pelotão da frente com vista ao Euro.

Li os textos de apoio do Professor Fernando Rosas, onde me informam que os Capitães de Abril são considerados heróis nacionais, como nunca houvera antes na nossa história, e que eles são os responsáveis por toda a modernidade do nosso país, pois se não tivesse acontecido a memorável Revolução, estaríamos na cauda da Europa e viveríamos em grande atraso, em relação aos outros países, e num total obscurantismo.

Tinha já tudo bem compreendido e decorado, quando pedi ao meu pai que lesse os apontamentos e os textos para me fazer perguntas sobre a tal Revolução, com vista à minha preparação para o teste, pois eu não assisti ao acontecimento histórico, por não ter ainda nascido, uma vez que, Como sabe, tenho apenas dezasseis anos de idade.

Com o pedido que fiz ao meu pai, começaram os meus problemas, pois ele ficou horrorizado com o que o Senhor Professor me ensinou e chamou-lhe até mentiroso porque conseguira falsificar a História de Portugal. Ele disse-me que assistira à Revolução dos Cravos dos Capitães de Abril e que vira com «os olhos que a terra há-de comer» o que acontecera e as suas consequências.

Disse-me que os Capitães foram os maiores traidores que a nossa História conhecera, porque entregaram aos comunistas todo o nosso império, enganando os Portugueses e os naturais dos territórios, que nos pertenciam por direito histórico. Que a Guerra no Ultramar envolvera toda a sua geração e que nela sobressaíra a valentia dum povo em armas, a defender a herança dos nossos maiores.

Que já não existia ditadura salazarista, porque Salazar já tinha morrido na altura e que vigorava a Primavera Marcelista que, paulatinamente, estava a colocar Portugal na vanguarda da Europa. Que hoje o nosso país, conjuntamente com a Grécia, são os países mais atrasados da Comunidade Europeia.

Que Portugal já desfrutava de muitas liberdades ao tempo do Professor Marcelo Caetano, que caminhávamos para a Democracia sem sobressaltos, que os jovens, como eu, tinham empregos assegurados, quando terminavam os estudos, que não se drogavam, que não frequentavam antros de deboche a que chamam discotecas, nem viviam na promiscuidade sexual, que hoje lhes embotam os sentidos.

Disse-me também que ele sabia o que era Deus, a Pátria e a Família e que eu sou um ignorante nessas matérias. Aliás, eu nem sabia que a minha Pátria era Portugal, pois o Senhor Professor ensinou-me que a minha Pátria era a Europa.

O meu pai disse-me que os governantes de outrora não eram corruptos e que após o 25 de Abril nunca se viu tanta corrupção como actualmente.

Também me disse que a criminalidade aumentara assustadoramente em Portugal e que já há verdadeiras máfias a operar, vivendo à custa da miséria dos jovens drogados e da prostituição, resultado do abandono dos filhos de pais divorciados e dum lamentável atraso cultural, em virtude de um Sistema Educativo, que é a nossa maior vergonha, desde há mais vinte anos.

Eu fiquei de boca aberta, quando o meu pai me disse que a Censura continuava na ordem do dia, porque ele manda artigos para alguns jornais e não são publicados, visto que ele diz as verdades, que são escamoteadas ao Povo Português, e isso não interessa a certos orgãos de Comunicação Social ao serviço de interesses obscuros.

O meu pai diz que o nosso país é hoje uma colónia de Bruxelas, que nos dá esmolas para nós conseguirmos sobreviver, pois os tais Capitães de Abril reduziram Portugal a uma «pobreza franciscana» e que o nosso país já não nos pertence e que perdemos a nossa independência.

Perguntei-lhe se ele já ouvira falar de Mário Soares, Almeida Santos, Rosa Coutinho, Melo Antunes, Álvaro Cunhal, Vítor Alves, Vítor Crespo, Lemos Pires, Vasco Lourenço, Vasco Gonçalves, Costa Gomes, Pezarat Correia… Não pude acrescentar mais nomes, que fixara com enorme sacrifício e trabalho de memória, porque o meu pai começou a vomitar só de me ouvir pronunciar estes nomes.

Quando se sentiu melhor, disse-me que nunca mais lhe falasse em tais «sacanas de gajos», mas que decorasse antes os nomes de Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral, Diogo Cão, D. João II, D. Manuel I, Bartolomeu Dias, Afonso de Alburquerque, D. João de Castro, Camões, Norton de Matos, porque os outros não eram dignos de ser Portugueses, mas estes eram as grandes e respeitáveis figuras da nossa História.

Naturalmente que fiquei admirado, porque o Senhor Professor nunca me falara nestas personagens tão importantes e apenas me citara os nomes que constam dos textos do Professor Fernado Rosas.

Senhor Professor, dada a circunstância de o meu pai ter visto, ouvido, sentido e lido a Revolução de Abril, estou completamente baralhado, com o que o Senhor me ensinou e com a leitura dos textos de apoio. Eu julgo que o meu pai é que tem razão e, por isso, no próximo teste, vou seguir os conselhos dele.

Não foi o Senhor Professor que disse que a Revolução nos deu a liberdade de opinião? Certamente terei uma nota negativa, mas o meu pai nunca me mentiu e eu continuo a acreditar nele.

Como ele, também eu vou pôr uma gravata preta no dia 25 de Abril, em sinal de luto pelos milhares de mortos havidos no nosso Império, provocados pela Revolução dos Espinhos, perdão, dos Cravos.

O Senhor disse-me que esta Revolução não vertera uma gota de sangue e agora vim a saber que militantes negros que serviram o exército português, durante a guerra, que o Senhor chamou colonial, foram abandonados e depois fuzilados pelos comunistas a quem foram entregues as nossas terras.

Desculpe-me, Senhor Professor, mas o meu pai disse-me que o Senhor era cego de um olho, que só sabia ler a História de Portugal com o olho esquerdo. Se o Senhor tivesse os dois olhos não me ensinaria tantas asneiras, mas que o desculpava porque o Senhor era um jovem e certamente só lera o que o Professor Fernando Rosas escrevera.

A minha carta já vai longa, mas eu usei de toda a honestidade e espero que o Senhor Professor consiga igualmente ser honesto para comigo, no próximo teste, quando o avaliar.

Com os meus respeitosos cumprimentos

O seu aluno

Nuno Tavares

Terça-feira, 20 de Maio de 2008

Uma carta escrita por um jovem a altura com 16 anos, mas que faz  pensar… quem por razões várias, não viveu pessoalmente, a revolução de 25 de Abril de 1974, e se tem que guiar pelo que nos dizem os livros de história, ou aqueles que nos querem fazer querer numa verdade, talvez um pouco distorcida da realidade!